Nem sim, nem não, apenas diferente.

29 abril 2013


De uns tempos pra cá eu parei pra perceber o quanto eu me sentia mais forte quando era mais nova. Parece que quanto mais o tempo passa, mais a gente fica fraca. Pra depois ficar forte de novo. Parece que passamos por um enorme ciclo de aprendizagem que no final nos faz ser o que nós somos, sentir o que sentimos. 

É tipo um desafio. Sua vida se encontra devidamente equilibrada, você se encontra feliz, realizada, com bons amigos, se divertindo todo o tempo, até que.. Você começa a ter problemas, dores, e se vê obrigado a lidar com isso. Agora tudo é tão mais real, tão mais vivo. Parecia tudo mais fácil antigamente. Era como se nada me atingisse, sentia como se eu tivesse um escudo que me protegesse das coisas ruins. Eu era a única que continuava intacta.. Mas agora não. Bem hoje na verdade tenho a impressão de que, depois que fui tocada pelo amor, fiquei mais sensível. É como se até os pingos de chuva pudessem me ferir, é como se tudo ao meu redor fossem lanças afiadas prontas para me machucar a qualquer deslize que eu der. Tudo tem uma proporção tão maior, tão mais significativa, tudo dói mais, tudo agora é intenso demais. 

Sinceramente eu não quero ser assim. Quero me tornar fria, quero sentir meu coração se congelando como o frio ártico. As pessoas mais frias sofrem menos, sofrem apenas por aquilo que querem e realmente valha à pena. Eu quero me sentir forte novamente. Quero me sentir dona de mim e, se eu for desse jeito, então quer dizer que serei como todo mundo. E é nesse momento que eu me perco na minha vontade insana de congelar meu coração, porque eu sei que não sou como todo mundo. Eu sou diferente e, acredito nisso. Eu tenho motivos pra acreditar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Baú dos Vinte. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design